sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Amizade: Homem + Mulher – por Marcos Sorvane



“Homem e mulher é igual a fogo e gasolina” assim dizia meu pai me aconselhando sobre garotas. Depois de um tempo, entendi que aquilo que meu pai queria dizer é o que a ciência dá o nome de ATRAÇÃO. Refletindo sobre a amizade que eu tinha com as meninas desde minha infância, percebi que não raro me interessava - e me interesso - por uma ou outra garota que considerava como amiga*. Mas por favor! Não confundam O TRATADO DE TORDESILHAS com O TARADO ATRÁS DAS ILHAS! Esse interesse era tácito e pessoal, não me permitia ficar largando o doce a torto e a direito. Era "uma idéia que existia na cabeça e não tinha a menor pretensão de acontecer". Não era convertido em “conversa mole”. Mais uma vez - como é de vezo em meus textos – não estou dando a entender que não existe amizade verdadeira e despretensiosa entre um homem e uma mulher, porém, se a mulher for descomprometida, agradável, bonita e atenciosa, a probabilidade de uma amizade com pretensões de seu amigo heterossexual é de 99, 9999999999 %. Sinto muito por minhas assíduas leitoras que até hoje acreditavam que a amizade do homem é até mais sincera. Inevitavelmente, se você preencher os requisitos acima, aquele seu amigo que sempre te dá atenção, fala com você assim que entra no MSN, de vez em sempre te liga e que nos "reggaes" da vida faz questão de te deixar em casa - e o cara é tão bonzinho que só arrasta o carro quando a vítima entra e passa pelo portão de casa, um verdadeiro GENTLEMAN- sim esse mesmo que você pensou agora, ele vai te cortejar - se é que já não o fez e você não percebeu . Calma meninas, não precisam ficar preocupadas! Um dia isso passa. Mais cedo ou mais tarde seu amigo vai desencanar, e certamente vai se interessar por aquela outra menina descomprometida, agradável, bonita e atenciosa do outro grupo de amigos, e que na maioria das vezes, na opinião de vocês, será chata e metida. Isso tudo porque as oportunidades surgem e às vezes não sabemos aproveitá-las. Tenho muitos amigos - homens e mulheres - que namoraram, noivaram, casaram e são felizes até hoje. O grau de conhecimento que um tinha do outro foi muito útil para a vida conjugal. Mas falar é fácil né? Então tá, sem mais demagogias, finalizo mais um texto fazendo a seguinte síntese:

A amizade despretensiosa entre um homem e uma mulher existe, mas é de 0, 0000000001%.

Se você for mulher – não me comprometam, lembrem-se dos requisitos - e tiver um amigo heterossexual, fique de olho na corte.

Se seu amigo for um cara correto e gente boa, e se algum dia passou por sua cabeça que ele poderia ser “a pessoa”, porque não deixar o orgulho um pouco de lado e dá uma chance ao ordinário?







*Neste texto, o termo “interessado” não significar “estar a fim de”.

Amizade Homem + Mulher
Marcos Sorvane

Poesia - Amor Perfeito


Às vezes penso em você toda hora

Te esqueço e lembro de você sempre

Quando falas comigo no telefone sinto

Que a tua voz que eu quero ouvir perto de mim

Fico confuso querendo saber

Amor perfeito será que existe?

Pode haver felicidade enquanto a dúvida persiste?

Às vezes decido ficar contigo

Às vezes prefiro esperar

O que está acontecendo comigo?

Será que é medo de amar?

Seu nome é diferente

Sua beleza também

Com um jeito doce e envolvente

Faz-me sentir tão bem

Te darei uma chance de me amar

E por você vou me deixar conquistar

Descobriremos que só o tempo pra decifrar

Amor perfeito é aqui o seu lugar?




Amor Perfeito
Marcos Sorvane

Poesia - Minha Amiga Leoa

Tão cotidianamente inteligente
Por ela eu peço, choro, imploro
Ela é burra, rara e momentaneamente
Quando teima em dizer que a ignoro

Com um jeito doce, me faz entrar na sua dança
E se estiver ruim, pra ela tudo está bem
Determinada, ela transborda esperança
Tempo de crise com ela não tem

Fica zangada se não brincar com jeito
Furiosa ela fica se faltar com o respeito
Carismática, disso tudo ela esquece
De coração, com seu perdão me enobrece

Sutilmente, seu sorriso resplandece
Penetrante, o olhar dela atordoa
Inesquecível, tem um cheiro que entorpece
Atraente, seu cabelo é de leoa

O tempo passa, e passaria a minha vida
Escrevendo, falando dessa mulher
Só pra dizer o quanto ela é querida
E que estarei com ela pro que der e vier



Minha Amiga Leoa
Marcos Sorvane

Poesia - De Repente o Modernismo

Pra quem gosta de cultura
Vou te dar o meu presente
Falando de literatura
Vou fazer o meu repente

Meu repente é fuleragem
Sem frescura, sem eufemismo
E misturando a linguagem
Vou falar do modernismo

Mas vou falar do tal de um Pós
Que tem muita gente bacana
Gente esperta que nem “nois”
Um rebanho de sacana

Grande Sertão Veredas
Foi de um cara bom de prosa
O conhecimento não percas
Falo de Guimarães Rosa

Tinha um cara bem safado
Perdoa-me Por Me Traíres
Esse é o tema descarado
Da peça de Nelson Rodrigues

E no meio da mobília
Tem um livro, meu amor
É o Laços de Família
De Clarice Lispector

Tem João Grilo, tem Chicó e o fim da vida
Que tragédia, a risada não tem quem una
Tudo isso é o Alto da Compadecida
A bela obra de Ariano Suassuna

Tem também as gravações
Na madeira e no papel
E o que seria dos cordões
Sem a literatura de cordel?

Agora foi que lenhou
Esse tal regionalismo
Mas quem foi que inventou
Que isso tudo é Modernismo?



De Repente o Modernismo
Marcos Sorvane

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Conversa Mole - por Marcos Sorvane

O amor sempre nos prega uma peça! Quando pensávamos que dessa vez até que poderia dar certo, não deu. A gente se resguarda, fica de boa, sai com os amigos, e de repente, aparece aquela pessoa que parece até ser interessante, mas no fundo, bem no fundo, você sabe que ainda não é ela. Mas, como dizia meu pai, miséria quando vem só vem em cacho, e dona Eva, além da curiosidade, deixou outra grande e insistente herança: a teimosia! Isso mesmo! É a teimosia que faz nos aproximarmos de uma pessoa mesmo sabendo que ela não é “a pessoa”,e, com toda cara de pau do mundo, mentimos pra nós mesmos dizendo: Que nada, é só conversa mole, sem pretensões!


Não é de se admirar que essa conversa mole, de mole não tem nada, e quando menos se espera, pronto! A conversa era tão mole que perfurou o campo de força de alguém. Houston, we have a problem! Aquela pessoa que apareceu na roda de amigos, que você até achou interessante, mas sabia que ainda não era ela, e que mesmo assim você se aproximou dela achando que era só conversa mole e sem pretensões, agora está completamente envolvida com você. E agora José? E agora você? Ela não vai parar de mandar mensagens, não vai parar de te ligar, até que você diga um categórico, objetivo, esclarecedor e convincente: NÃO!

O pior, é que só agora você percebe que era melhor ter ficado na sua lá na mesa com seus amigos, contando os podres um do outro, bebendo um refrigerante que já estava quente de tanto esperarem a demorada da comida que o garção ainda não tinha trazido. Esse seria um sacrifício bem menor do que o de perder uma possível amizade, frustrar as expectativas de alguém, ou na pior das hipóteses, contribuir com mais um caso de depressão na sociedade. Pensando bem, não é o amor que nos prega uma peça, e sim nós mesmos. Se sabia que não era a "pessoa", porque insistir ? O interessante – e o mais engraçado também – é que toda vez em que saímos de uma situação dessas, dizemos aquele velho papo furado: Nããããão! Da próxima vez não vou deixar isso acontecer novamente!Mas cá pra nós, algum de vocês já conseguiu cumprir esta promessa?

Se não conseguiu, continue tentando. Estabeleça alvos, estude, saia com a galera ou escreva textos idiotas e mande pra seus amigos via e-mail. Agora, para aqueles que conseguiram cumprir esta façanha, meus parabéns!
Ignore tudo o que eu disse, pois para vocês, isso tudo não passa de uma conversa mole.

NA BAHIA ISSO É NORMAL UMA BANANA! – Por Marcos Sorvane

Como se já não bastasse os estereótipos do baiano preguiçoso, do baiano burro e do baiano macumbeiro, nessa semana surgiu mais um quentinho do forno: O da baiana vulgar.

Isso graças a uma professorinha de jardim de infância que disse num programa de televisão em rede nacional e internacional que “na Bahia isso é normal” tentando justificar seu ato libidinoso. Normal pra ela e pra laia dela,que já se acostumou com a idéia da desvalorização da mulher. É claro que a música baiana – estou falando de alguns pagodes – é sócia majoritária desse grande empreendimento no marketing depreciativo feminino, não obstante,mais desavergonhado é quem canta, dança e compra um cd de grupos musicais desse nível. Tudo bem que gosto não se discute, mas não aceito que um qualquer vá pra frente das câmeras e generalize a miséria de seu gosto. Cada um fale por si! Do contrário, o santo acaba pagando pelo pecador. São fatos como esse que fazem as pessoas de fora perderem o respeito pela Bahia. Lembro-me dos alemães que trocaram de roupa em pleno saguão do aeroporto Luís Eduardo Magalhães. Um deles havia dito que não viu problema algum em ficar pelado na frente de todo mundo, e que como aqui o clima é quente e as pessoas andam quase sem roupa, achou que não teria nenhum efeito. Analisando o que essa “senhorita” fez – que teve uma repercussão nacional e internacional- imagine o que esses alemães vão querer fazer quando estiverem de volta a Salvador?

Para mim, e para a maioria dos baianos de bem e que se respeitam, o que essa “senhora” fez foi um ato de total degradação moral, e desde já, repudiamos tal atitude imoral, ilegal e imprópria.Os baianos já sofrem preconceitos demais pra engolir mais um sapo desses.São coisas como essas que não podem tornar-nos indiferentes porque como diz o ditado: QUEM CALA, CONSENTE.




segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Poesia - Soneto de Mel

Se um dia um homem há de viver
Sem seu amor da vida conhecer
Desse homem hei de me compadecer
Pois feliz tal homem não pode ser

Pobre homem, não saberá o quanto
Me alegro, e sempre, e muito, e tanto
Da mulher a quem escrevo e canto
Ser o amor da minha vida, eu garanto

Não me inveje homem moribundo
Da mulher que me inspira este verso
Clamo e grito num arroubo de emoção

Que nesse imenso e romântico universo
Tão somente fruto és da imaginação
Pois nunca morreste, viveste ou nasceste  no mundo
 
 
 
Soneto de Mel
Marcos Sorvane

Poesia - A mulher da minha vida (Antíteses)


É inexplicável o afã que sinto em busca da tua paz

O insaciável contentamento que só tua presença me traz

Incomensurável a vontade de não te querer mais, longe de mim

Inexorável é o medo mórbido e angustiante que isso tudo um dia chegue ao fim

Efêmero é o rancor de nosso desentendimento

Perpétua é a alegria advinda do teu acalento

E se de antíteses eu rimo à minha vontade

Que palavra contrastarei com a saudade?

A saudade que sinto do teu beijo

A saudade que sinto da tua boca

A saudade que sinto do teu cheiro

A saudade que sinto da tua roupa

A saudade que sinto do cheiro da tua roupa

A saudade que sinto dos teus braços

A saudade que sinto da tua mão

A saudade que sinto dos teus amassos

E do palpitar do teu coração

Agora reflito numa conclusão

Por perceber que pra saudade não existe oposto

E que certas coisas não tem explicação

E nesse furacão de contradição

Chego à calmaria da compreensão

Que a única coisa que eu tenho certeza

É de que a síntese desta retórica e obtusa poesia descabida

É que Carla, meu amor, és a mulher da minha vida!
 
 
 
 

A mulher da minha vida
Marcos Sorvane

Poesia - Paixão dos 12 anos


Que menina é essa                                  

Dos cabelos longos e compridos

Dos olhos verdes e coloridos

Do jeito doce e extrovertido

O qual me fez dela gostar

Que menina é essa

Alegre e disciplinada

Bonita e engraçada

Que todos fez-se adimirar

Ela não é nenhuma rainha

Nem uma princesa Daiana

O nome dela é muito simples

O nome dela é Adriana


Paixão dos 12 anos
Marcos Sorvane




Poesia - Consolo


E dizem que a solidão até que me cai bem


E o poeta tinha razão


Mesmo que um pouco


Quando se está só


Trabalhamos melhor


Estudamos melhor


Vivemos melhor


A concentração é plena


Plena até lembrarmos de alguém marcante


A concentração é efêmera


Efêmera até nos enganarmos pensando que o melhor é ficar só


E novamente trabalhamos melhor


Estudamos melhor


Vivemos melhor



Consolo
Marcos Sorvane

domingo, 4 de outubro de 2009

Poesia - Dissimulando

Quando disse a você que te amava

Eu não estava dissimulando

Disse, talvez por não saber o que é o amor

Ou porque já o compreendo plenamente

Doeu quase te perder

E ainda dói um pouco te ter

Por justamente não saber

Quem é você?

O que sentes?

Ou o que está tentando sentir?

Agora, sinto dúvidas a teu respeito

Será que vai negar o que me é de direito?

Seu coração será para mim um tiro no peito?

Ou a solidão será a melhor opção?

Acho que não

Eu te amo, eu sei que te amo

Mas você não

E mesmo assim eu não estou dissimulando

Talvez por não saber o que é o amor

Ou porque já o compreendo plenamente




Dissimulando

Marcos Sorvane


Poesia - Enfim Só


Enfim só
Sem teu amor
Sem teu amar
Mas tenho o sol
Mas tenho o mar

Enfim só
Falta seu cheiro
Faltam seus beijos
Sobram virtudes
Sobram desejos

Enfim só
Perdi você
Perdi a esperança
Achei a paz
E uma lembrança

Enfim só
Quero-te bem
Sem mais delongas
Seja feliz
Amém



Enfim Só
Marcos Sorvane